terça-feira, 1 de Junho de 2010

E-fólio C

Questão 1

O jovem adulto, após ter passado a adolescência que é considerado um período turbulento, entra na fase de adulto entre os 25 e os 30 anos, onde atinge o seu pico máximo. A entrada nesta fase faz com que o indivíduo ganhe mais vitalidade, força e resistência física, depois de ultrapassar esta idade o jovem adulto vai perdendo estas características lentamente.
Uma das características do desenvolvimento físico, é a fertilidade nas mulheres que por norma aos 25 anos se inicia o processo de decréscimo dos óvulos. Apesar de estas actualmente só pensarem em ter filhos mais tarde, devido a inúmeros factores destacando-se a situação profissional, financeira e a estabilidade emocional, o que faz com que hoje haja cada vez mais gravidez de risco. Nos homens é completamente diferente, o esperma mantém a sua fertilidade desde a puberdade até à velhice.
A passagem da adolescência para adulto é uma experiência bastante importante de se valorizar e relacionar-se da fase da adolescência à fase de adulto. Esta valorização ou relacionamento no jovem adulto geres algumas mudanças de comportamento, ficando mais organizado e coeso. O seu aspecto físico, as atribuições sociais e as suas competências estão relacionados de imediato com a sua valorização e ao seu relacionamento que mudam no jovem adulto. Nesta altura o indivíduo não é tão impulsivo e alcança maior capacidade para gerir os seus problemas.
A nível profissional o jovem adulto entra numa etapa da sua vida com influência em todos os aspectos da sua vida.
Nesta fase ele entra no mercado do trabalho começando a percorrer o seu caminho profissional, a partir desta altura o jovem adulto começa a definir-se como pessoa na sociedade.
Segundo o autor Chickering, existem sete vectores nos jovens adultos a saber:
• Tornar-se competente – estruturar as capacidades mentais, corporais motoras e interpessoais;
• Dominar emoções – tomar consciência, contextuar-se e ter agilidade no seu controlo emocional;
• Desenvolver a autonomia – crescimento de estratagemas impulsionadores da emancipação, ao ter que enfrentar situações estranhas como o facto de adquirir o seu amadurecimento.
• Estabelecer a identidade – é um processo complicado e com diversos factores devido à integração de novas práticas, sensações, sentimentos, emoções e valores.
• Promover e desenvolver relacionamentos interpessoais – ter competências de desenvolvimento nas relações interpessoais mais firmes e, chegando através da liberdade, de consideração e da admissão das diferenças individuais.
• Desenvolver valores e ideias – enunciação de planos de acções, tomadas de resolução e estabelecimento de preferências pessoais e profissionais, de uma forma mais exigente e independente.
• Desenvolver a integridade – Maiores competências para lidar com a relatividade inerente aos valores - conter para sim um misto de valores estabilizadores da conduta do jovem estudante.


Segundo o mesmo autor a solução positiva dos três primeiros vectores, vai condicionar o progresso dos outros vectores e o resultado da estrutura da identidade . Refere mais conceitos tais como a diferenciação sucede quando o jovem adulto compreende a separação entre juízos anteriores e idênticos que se faz sentir numa maior separação e esclarecimento de interesses, já a integração ajuda ao processamento da informação retida.





Questão 2

Como o solicitado nesta questão elaborei uma apresentação em power point sobre o tema referido:

• Ideias do senso comum face à velhice;
• Porque é que a sociedade não pode aceitar essas ideias.
Link do powerpoint:



Questão 3

Organize um mapa conceptual sobre os factores de risco e de protecção da escola e da família




















Bibliografia:

TAVARES, José, (et all), Manual de Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, Colecção Nova Cidine, Porto Editora, 2007. Páginas 86-88.

Universidade Aberta 2009 – Psicologia do Desenvolvimento, Ciclo de Desenvolvimento, Idade Adulta e Velhice. Páginas 13-18.

quinta-feira, 11 de Março de 2010

Psicologia do Desenvolvimento na Educação

A psicologia do desenvolvimento estuda a mudança de comportamentos das pessoas ao longo da vida, quer sejam psíquicas ou motoras.
Para um técnico de educação é muito importante que tenha a capacidade de percepção dessas mudanças, para assim poder definir o método de ensino mais adequado ao aluno, ser capaz de entender que factores originaram essas mudanças, sejam a nível social ou pessoal através da comunicação com familiares.
Estes conhecimentos vão ser uma mais valia para que o técnico de educação consiga apreender os diversos comportamentos e assim poder desempenhar melhor o seu trabalho e de forma adequada para cada caso.

Quem sou eu!

Olá sou o Carlos Silva tenho 35 anos, sou deficiente com paralisia cerebral, ando em cadeira de rodas. Trabalho na Câmara Municipal de Aljrzur, vivo em Odeceixe, conduzo um automóvel e devido à minha deficiencia só consigo escrever no computador.